HOME   -   QUEM SOMOS   -   SERVIÇOS   -   ARTIGOS   -   CADASTRE-SE   -   ATENDIMENTO   -   CONTATO
  ARTIGOS | Informações que fazem a diferença  
   
 

ANSIEDADE
 

Ansiedade

A ansiedade é um sentimento que acompanha o homem por toda a sua existência.
Para o tratamento é importante um diagnóstico correto.

Temos:
- a ansiedade normal reativa que pode ser considerada um sinal de alerta que permite ao indivíduo permanecer atento, tendo como base objetiva uma ameaça ou perigo existente e decorrente da realidade externa.
- a ansiedade patológica que se diferencia pela intensidade, pelo caráter repetitivo e desproporcional ao ambiente. Caracteriza-se por um sentimento desagradável de apreensão negativa em relação ao futuro. Ela pode ser secundária às doenças orgânicas (hipertiroidismo, insuficiência cardíaca congestiva e doenças pulmonares obstrutivas crônicas etc.) e ao uso ou abstinência de substâncias psicoativas. A ansiedade patológica primária é a encontrada nos transtornos ansiosos.

Transtorno de ansiedade generalizada

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-IV-TR)(3) caracteriza como:
“Ansiedade ou preocupação excessiva, ocorrendo na maioria dos dias, por um período de pelo menos seis meses, acerca de diversos eventos ou atividades. O indivíduo considera difícil controlar a preocupação. A ansiedade e a preocupação são acompanhadas de pelo menos três sintomas adicionais, que inclui inquietação, fatigabilidade, dificuldade em concentrar-se, irritabilidade, tensão muscular e perturbação do sono.”
Embora os indivíduos com transtorno de ansiedade generalizada nem sempre sejam capazes de identificar suas preocupações como excessivas, eles relatam sofrimento subjetivo devido à constante preocupação, têm dificuldade em controlar a preocupação, ou experimentam prejuízo social ou ocupacional ou em outras áreas importantes.
A intensidade, duração ou frequência da ansiedade ou preocupação são claramente desproporcionais à real probabilidade ou impacto do evento temido.
A pessoa considera difícil evitar que as preocupações interfiram na atenção nas tarefas que precisam ser realizadas e têm dificuldades em parar de se preocupar.
Essas preocupações frequentemente são decorrentes de circunstâncias cotidianas e rotineiras, tais como possíveis responsabilidades no emprego, finanças, saúde de membros da família, infortúnio acometendo os filhos ou questões menores, tais como tarefas domésticas, consertos no automóvel ou atrasos a compromissos.
O quadro clínico pode ser associado a tremores, abalos e dores musculares, nervosismo ou irritabilidade, associados à tensão muscular.
Podem ocorrer sintomas somáticos, tais como mãos frias, boca seca, sudorese, náuseas, diarreia, frequência urinária, dificuldade para deglutição e sobressaltos desproporcionais. Os sintomas depressivos são comumente encontrados.
Muitos indivíduos com transtorno de ansiedade generalizada afirmam que sentiram ansiedade e nervosismo durante toda a vida. O curso é crônico, mas flutuante e frequentemente piora durante períodos de estresse”.

Critérios diagnósticos para transtorno de ansiedade generalizada (DSM-IV)

A. Ansiedade e preocupação excessivas (expectativa apreensiva), ocorrendo na maioria dos dias por pelo menos seis meses, com diversos eventos ou atividades (tais como desempenho escolar ou profissional).
B. O indivíduo considera difícil controlar a preocupação.
C. A ansiedade e preocupação estão associadas com três (ou mais) dos seguintes seis sintomas (como pelo menos alguns deles presentes na maioria dos dias nos últimos seis meses):

1. Inquietação ou sensação de estar com nervos à flor da pele;
2. Fatigabilidade;
3. Dificuldade em concentrar-se ou sensações de “branco” na mente;
4. Irritabilidade;
5. Tensão muscular;
6. Perturbação do sono (dificuldades em conciliar ou manter o sono, ou sono insatisfatório e inquieto).
D. O foco da ansiedade ou preocupação não está confinado a aspectos de um outro transtorno (transtorno do pânico, fobia social, transtorno obsessivo-compulsivo, transtorno de ansiedade de separação, anorexia nervosa, transtorno de somatização, hipocondria ou transtorno de estresse pós-traumático).
E. A ansiedade, a preocupação ou os sintomas físicos causam sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social ou ocupacional ou em outras áreas importantes da vida do indivíduo.
F. A perturbação não se deve aos efeitos fisiológicos diretos de uma substância (droga de abuso, medicamento) ou de uma condição médica geral (p. ex.: hipertiroidismo) nem ocorre exclusivamente durante um transtorno do humor, transtorno psicótico ou transtorno invasivo do desenvolvimento.

Tratamento

Medicamentoso
A eficácia dos benzodiazepínicos é bem estabelecida (Davidson, 2001)(4). Também os antidepressivos têm eficácia igual ou superior aos benzodiazepínicos (Davidson 2001)(4), sendo considerados a primeira escolha para o tratamento ao longo tempo, mesmo quando não há comorbidade com transtornos depressivos (Ballenger et al., 2001)(12).


Terapia Cognitiva Comportamental
Os estados de ansiedade estão relacionados a pensamentos e imagens que sugerem a percepção de um perigo considerável (físico ou psicológico) nas situações atuais. Estes são geralmente uma resposta a percepções distorcidas.
A TCC procura tratar os estados de ansiedade ao ajudar os pacientes a identificar seus julgamentos de perigos imaginários e os comportamentos que os podem estar mantendo.
É feito um trabalho de Reestruturação Cognitiva onde a ansiedade pode ser reduzida tanto através da diminuição da percepção do perigo quanto através do aumento da confiança na capacidade de lidar com ameaças.

Kelliny Dório


10/11/2015

 

 
     
     
 


Conselho Regional de Psicologia-MG – CRP04

Código de Ética Profissional dos Psicólogos

Conselho Federal de Psicologia - CFP

Resolução CFP nº 11/2012, de 21/06/2012